domingo, 7 de agosto de 2016

Sia - 6/8/2016

Tenho de vos confessar que este post não era para existir, mas o que presenciei ontem à noite foi bom demais para guardar só para mim.
Tudo começou com uma viagem de Cascais à Zambujeira do Mar. Destino: MEO Sudoeste. Objectivo: concerto da Sia. 


Começando pelo facto de não ser propriamente fã do género Pop, a artista Sia tem, à partida, tudo para eu não gostar: não se apresenta com banda ou músicos em palco, não comunica com o público e dá uma grande importância (diria mesmo toda) à componente visual, correndo o risco de tanto conceptualismo se tornar pretensioso. O meu tipo é mais a banda de rock pura, nada de acessórios ou trocas de roupa e tudo concentrado na música.
Mas Sia tem algo que me atrai sempre enquanto fã de boa música: uma voz de arrepiar! Não é só cantar bem, é ter o timbre certo e original, é ter presença e fazer-se notar mesmo quando tudo faz para não ser o centro das atenções.

Antes do espectáculo perguntavam-me "Achas que a Maddie Ziegler (jovem dançarina que protagoniza todos os videoclips mais recentes da cantora) vem?", seguríssima de que Maddie estava em tournée a solo e não querendo dar expectativas a ninguém afirmei logo que não, dizendo que só deveriam vir outros dançarinos mais desconhecidos do grande público. 

Após uma longa espera, enquanto uma vasta equipa técnica montava o palco, as luzes acenderam e um pano preto caiu. Vemos Sia com a sua famosa peruca metade preta, metade loira platinada e um laço branco, com aquilo que aparentava ser um longo e trabalhado vestido da mesma cor. O vestido começa a mover-se e percebemos que são vários bailarinos e não um vestido. O tema era a poderosa "Alive", e enquanto as "várias partes do vestido" se afastavam do centro surge Maddie Zigler. Escusado será dizer que por momentos o meu coração parou. Sou fã do trabalho desta jovem brilhante, bem como de quem estiver por detrás do trabalho de coreografia. 

Com Sia a deslocar-se depois para o lado esquerdo do palco e sempre sem luz, contámos com um espectáculo inesquecível. Das luzes à cenografia, da dança à representação, vimos um cruzar de diferentes artes que resultaram em algo inexplicável. Algumas recriações ao vivo de coreografias dos videoclips, como foi no caso de "Elastic Heart", "Chandelier" ou "Cheap Thrills" e encenações inéditas para acompanhar temas como "Diamonds" (composto pela artista para Rihanna) fizeram brilhar ainda mais a voz da cantora e provaram que num concerto não é preciso afinal interagir muito com o público.

Além de dançarinos tivemos ainda o privilégio de receber artistas da sétima arte, Kristen Wiig e Paul Dano (actor que considero um dos melhores da nova geração).
Uma hora de deslumbramento que fez compensar, e muito, cada quilómetro que percorri. Obrigada Sia.



Texto: Sofia Robert


Instagram: @soumusicapt

Sem comentários:

Enviar um comentário