quarta-feira, 29 de junho de 2016

Rodrigo Amarante - 28/6/2016

Acreditem ou não, nunca tinha entrado no Teatro Tivoli em Lisboa até ontem à noite. O espaço é lindíssimo e assim que entrei senti-me na série “Equador”. Isto até os quatro estrangeiros sentados à minha frente começarem a rir às gargalhadas enquanto tiravam fotografias com os iPhone’s e faziam “face swap”.


Rodrigo Amarante parece também de uma outra época, com a sua voz suave e um pouco melancólica. Num concerto intimista e apenas com o cantor em palco, começou com o tema “Nada em vão”. Não havia telemóveis a fotografar ou filmar, ninguém falava ou tossia, será que teríamos mesmo regressado ao início do século XX?

Tímido mas brincalhão, Rodrigo Amarante é o cantor brasileiro, sediado em Los Angeles, que tem vindo a conquistar o mundo sem pressas. Depois de alguns projectos incluindo Los Hermanos, é agora a solo que nos presenteia com o álbum “Cavalo” na sua íntegra. Vai-nos dando contexto entre músicas, um pouco ao contrário do que faz pelo mundo afora “nos países que não falam português, sim existem países onde não falam português, eu costumo explicar um pouco das músicas, hoje vou-vos explicar as que não são em português.” Um desses casos é o tema da bem-sucedida série “Narcos”, “Tuyo”, que Rodrigo fez por encomenda.

Ao longo da noite tivemos também o privilégio de ouvir alguns temas novos, e ainda não gravados, nos quais o compositor tem vindo a trabalhar sendo que um deles foi terminado ontem durante o sound check à tarde.
O cantor provou não ter só uma voz irrepreensível (que pudemos ouvir ontem com uma acústica quase perfeita) como também ser um excelente compositor. Ora acompanhado da sua viola, ora ao órgão, terminou com a bela “The Ribbon” que explicou fazer par com “I’m ready”.

Este neto de português (o avô Amarante que mesmo depois de morto não o perdoa por ainda não ter conhecido a cidade de mesmo nome), voltou para o encore e foi recebido com uma ovação em pé. Sempre achei que a sua música ligava na perfeição com uma lareira numa noite de Inverno, agora sei que a música de Rodrigo Amarante é para ouvir em qualquer altura e em qualquer estação.



Texto: Sofia Robert


Instagram e Twitter: @soumusicapt

3 comentários:

  1. A cena dos quatro estrangeiros... Aconteceu-me o mesmo com quatro cromos nacionais no concerto do Chet Faker. Que desilusão :(

    Boa crítica, vou estar atento!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tive sorte porque foi só antes do concerto começar, depois guardaram os telemóveis até ao fim!
      Obrigada :) também já fui ler alguns artigos teus e gostei bastante, vou estar atenta também ;)

      Eliminar
  2. Adorei a crítica! O Rodrigo Amarante é sensacional. Bela oportunidade a que teve...

    ResponderEliminar