terça-feira, 19 de agosto de 2014

FATT - 14/8/2014

Se há algum festival que foi feito a pensar em mim, esse festival é o FATT Festival de Didgeridoo.


O recinto é sublime, o que normalmente é um parque aberto ao público, nestes dias torna-se numa pequena vila de música e comunhão.
Há um anfiteatro ao ar livre com o palco, um domus, uma “praia”, a zona de campismo e a zona de restauração onde estão disponíveis mesas com bancos e grelhadores.
O calor aquece um corpo já quente da viagem de carro. Depois da escolha do local para dormir, chega então o tão merecido mergulho na piscina de aspecto natural em forma de riacho.


Ouve-se a percussão do primeiro workshop do festival, seguido de um para iniciados de didgeridoo.


A música que se ouve por todo o recinto e o sol que se põe atrás da barragem e dos montes, faz-nos sentir em plena comunhão com a natureza.

Os concertos deveriam começar no início da noite (20h30) mas devido a uns atrasos têm início às 22h30.
Quem abre as hostes é o espanhol Alejandro Urilá. O multi-instrumentista deu um concerto em formato one man band. Passando por vários instrumentos como o berimbau de boca, diferentes didgeridoos e fazendo-se acompanhar de um pedal e dois pad’s com som de bateria electrónica, deu-nos um som de trance acústico que fez até as crianças dançarem fervorosamente!


Matsumoto Zoku foram a banda que se seguiu. Os japoneses tiveram de fazer o seu soundcheck perante o público e foi um óptimo aquecimento, cheio de risos, para aquele que seria o concerto da noite!
Divididos entre didgeridoo/hang e beatbox, tiveram tantas palmas na última música do soundcheck que parecia que o concerto já tinha acabado!
Com uma simpatia extraordinária, deram um concerto memorável que fez muitos dos presentes saírem das bancadas e irem para a frente do palco dançar.
Com a ovação que receberam no final, acho que posso dizer que toda a plateia concorda comigo: um dos melhores concertos de sempre!


Eram já 2h00 quando a última banda sobe ao palco, os portugueses Yemadas.
Uma banda composta por seis elementos divididos por vários instrumentos desde a percussão ao didgeridoo ou guitarra, passando por outros menos comuns, fizeram-nos viajar por outros países e culturas.


O balanço do primeiro dia foi muito positivo, que venha o segundo!


Fotografias por: Luís Carvalho
Para mais fotografias deste dia: https://www.facebook.com/soumusica.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário