domingo, 6 de abril de 2014

Negative Creeps - RCA CLUB

Ontem foi dia de tirar a t-shirt dos Nirvana da gaveta e ir rumo ao RCA CLUB. Chegámos ao espaço e fomos muito bem recebidos pelo Miguel, sócio-gerente do espaço.
Entrámos e o espaço cativou-nos desde logo: duas áreas superiores onde nos podemos sentar e assistir aos concertos de cima e no piso de baixo, temos o palco ao fundo. Em frente ao palco, existem umas mesas feitas com barris e, do lado direito, o bar.


Enquanto esperávamos pelo concerto estivemos à conversa com o Miguel:

Estão abertos ao público há quanto tempo?

Há quatro meses, abrimos dia 29 de Novembro.

Como tem sido a aceitação por parte do público a este espaço? Muitas vezes casa cheia?

A aceitação por parte do público tem sido muito boa. Isto não é só um bar, é um bar com uma sala de espectáculos associada. Funciona como sala de espectáculos para promotores, para trazer cá bandas internacionais, e como bar que abrimos só às sextas e sábados sempre com música ao vivo. Nada existe nesta temática e a aceitação de toda a gente tem sido fantástica, gostam muito, é um ambiente muito específico.

Porquê o tema do rock?

Tem a ver com o meu gosto pessoal e o gosto do meu sócio, o Sérgio, que é o vocalista dos RCA. Sempre foi o nosso lema de vida, do rock ao rock mais alternativo ao heavy metal, por isso não podia ser outra coisa.

Qual foi o concerto mais marcante que já passou por aqui?

Mais marcante para nós foi o dos Letz Zep. Foi a primeira vez que tivemos a casa cheia, foi uma noite muito engraçada. Tivemos aqui concertos internacionais e todos eles foram marcantes a certo ponto, porque para nós é muito simpático ter a aceitação dos músicos internacionais que vêm cá e gostam muito da casa e é um ambiente muito giro.

Obrigada Miguel.


Entretanto, o público ia chegando e apesar das idades serem variadas, no geral eram superiores à minha o que fez lembrar que realmente os Nirvana não são da minha geração. Afinal eu tinha quatro anos quando Kurt Cobain morreu.

No dia marcado pelos 20 anos deste trágico acontecimento, por volta da 00h15 sobem ao palco os Negative Creeps, banda de tributo aos Nirvana.
A primeira coisa que realça é a posição da guitarra do vocalista, que disse mais à frente ter aprendido a tocar “ao contrário” apenas para este tributo. À primeira vista foi esta apenas a única semelhança visível com a banda original.
O concerto começa com “Breed” seguida de “Drain You”.
Foi um misto de emoções, felicidade por ouvir as músicas que me são tão queridas, e também um pouco de cepticismo. Confesso que tinha algumas reservas em relação a bandas de covers, ainda para mais da minha banda favorita!
“Come as you are” é recebida com palmas e assobios seguida de “In Bloom”. Sim confirma-se, estamos numa sala cheia de fãs de uma das bandas mais famosa dos anos 90.
O vocalista faz uma pausa para agradecer à banda de grunge portuguesa Negative Buzz, que lhe emprestou uma pedaleira igual à que Kurt Cobain usava e faz uma pequena demonstração do som que ela permite emitir.

Depois de um intervalo, “regras da casa”, Negative Creeps mostram que ainda têm muitos trunfos para nos dar. “Dumb” faz-nos gritar em plenos pulmões “I think I’m dumb, or maybe just happy”.
Continuam as músicas de que o público sabe as letras completas, “Pennyroyal tea”, “On a plain”, “Heart Shape Box” e aquela que é considerada por muitos a melhor música de Nirvana “Smells like teen spirit”.
No mar de t-shirts que dizem Nirvana ou Kurt Cobain vemos sorrisos na cara de quem sabe que provavelmente será o mais próximo que estaremos de um concerto da nossa banda preferida.
O momento alto da noite é “All Apologies”, com dois rapazes do público a subirem ao palco, momento que se repetiu em inúmeras músicas.
 Em tom de fecho temos “About a Girl”; “Lithium”, uma das minhas preferidas; “Polly” numa versão mais acelerada e “Rape me”.
A banda, essa não me desiludiu nem um pouco, fez-me esquecer todos os possíveis preconceitos que poderia ter sobre bandas de covers.
Excelentes músicos, uma boa voz que em algumas músicas se assemelhava à de Kurt (outras não tanto). De realçar também o fantástico solo de bateria.
Foi uma óptima noite de puro rock num espaço excepcional. 
Sem dúvida para repetir!


Fotografias por: facebook.com/ShooterClick
RCA CLUB - Rua João Saraiva, nº 18, 1700-250 Bairro de Alvalade, Lisboa

Sem comentários:

Enviar um comentário